Excesso de serventia também é chato

Sabe aquela amiga da sua mãe que quando vai visitar ela faz questão de lavar a louça e ajudar na cozinha e fica toda hora querendo auxiliar e ser prestativa? Essa amiga da sua mãe é extremamente gentil, sempre sorridente, prestativa, elogia vocês toda hora, e, mesmo quando a sua mãe diz que você fez algo errado e dá um puxão de orelha em você, ela tenta amenizar a situação dizendo que você é só um jovem e que é normal. No fim da visita ela beija todos, dá tchau até para o cachorro e vai embora pelo portão olhando para trás e abanando sorridente e, quando você fecha a porta, suspira aliviado. Que pessoa chata! Epa… como assim?

Se ela é sorridente, prestativa, elogia e está sempre bem humorada e sempre busca agradar e auxiliar, porque ela é chata? Então. É exatamente POR ISSO que ela é chata. Excesso de serventia é chato também. Uma pessoa que está sempre alegre e disposta a ajudar e querer fazer tudo na sua casa sendo apenas uma visita dá a impressão de FALSIDADE, de ANTINATURALIDADE, e não há nada mais desagradável do que estar perto de alguém que não age naturalmente.

Uma pessoa extremamente solícita passa duas possíveis impressões: a primeira é de que é uma pessoa com uma autoestima tão baixa que precisa ficar bajulando e sendo prestativa o tempo todo com medo de ser mau vista ou medo de desagradar os outros. Porém, a segunda impressão que pode passar, é de que é uma pessoa falsa. E comigo (ao menos) essa é impressão que eu tenho na maioria das vezes em que convivo com alguém assim.

Esse comportamento a qual me refiro é absolutamente diferente de ter um amigo legal e bondoso que está sempre disposto a te ajudar, porque, esse amigo, por mais disposto que esteja, com certeza em algum momento vai fugir dessa linha de extrema retidão comportamental. Não vai ser um serviçal aparente, ele vai dizer NÃO quando.

E sabe porque é fácil saber que esse comportamento não é natural? Porque NINGUÉM GOSTA DE LAVAR A LOUÇA NA CASA DOS OUTROS (as vezes nem na nossa própria casa a gente gosta). Ninguém gosta de ser visita e ter que ajudar o outro com afazeres domésticos. Quando estamos visitando alguém nós nos oferecemos para ajudar por OBRIGAÇÃO, mas sempre esperando ouvir um “não precisa, amanhã eu lavo” (o que é um alívio).

Se você for na casa de um amigo e ele lhe der sorvete em um pote pequeno, depois de comer apenas entregue o pote. Se você for jantar na casa de um amigo e a sujeira for maior, pergunte se ele quer AJUDA para lavar a louça e não se ele quer que você faça isso por ele, afinal, a casa é dele e, se ele ofereceu um jantar na casa dele, é óbvio que sabia que haveria louça suja para lavar e que cuidar disso é o dever dele como anfitrião. Oferecer AJUDA é ser educado, oferecer-se para fazer isso é ser chato.

Portanto, não seja o chato com excesso de serventia, tente não ser tão solícito e nem force a prontidão. E, caso receba uma visita assim, por mais que você esteja muito afim de abusar da boa vontade dela em ajudar (mesmo sabendo que no fundo ela não quer), corte-a. Não deixe. Quem sabe assim ela se dê conta de que excesso de serventia também é chato.

excesso, serventia


Marcos Serres

Marcos Serres, estudou ciências sociais e política e atualmente estuda técnicas administrativas. Espiritualista, ator e amante de artes e filosofia, nessa coluna vai tratar daqueles filmes e séries que nem todo mundo assistiu mas deveria.

Desenvolvido por Vedrak  2018-2019